folhas

Critério para Coleta de Folhas

Saiba como colher as amostras de forma eficiente

As amostras devem estar livres de quaisquer danos ocasionados por pragas doenças e injúrias climáticas. Na amostragem de uma cultura, deve-se escolher as folhas de acordo com a espécie. As partes das folhas indicadas para análise química são coletadas no local, para evitar a translocação de nutrientes.

Análise Foliar

Importância, Amostragem e Interpretação

IMPORTÂNCIA

folhasA análise química foliar constitui um procedimento auxiliar, na identificação de deficiências nutricionais ou presença de elementos em quantidade fitotóxica com a finalidade de subsidiar a recomendação de calagem e adubação.

A amostragem foliar requer procedimentos cuidadosos. Nesta operação consideram-se: a época e a idade da planta, a posição da folha na haste, o número de amostras por planta e por gleba e, finalmente, o encaminhamento da amostra para o laboratório. As amostras devem estar livres de quaisquer danos ocasionados por pragas doenças e injúrias climáticas. Na amostragem de uma cultura, deve-se escolher as folhas de acordo com a espécie. As partes das folhas indicadas para análise química são coletadas no local, para evitar a translocação de nutrientes.
O material coletado, quando sujo de terra, deve ser lavado no local mais próximo da coleta da amostra e colocado em saco de papel ou de pano para secagem mais rápida, a fim de se evitar o desenvolvimento de agentes patogênicos e/ou saprófitas.

Colhidas às folhas em quantidades suficientes, segundo as técnicas indicadas na tabela a seguir, elas devem ser acondicionadas em sacos de papel ou de pano, etiquetadas e enviadas, de preferência ainda frescas para o Laboratório. Caso esta situação não seja possível, deixar as folhas secarem, acondicionadas em cima de jornal seco, limpo e em local coberto.

Nos últimos anos, vários casos de deficiências e toxidez de nutrientes em plantas foram identificados graças a utilização da técnica de análise foliar. Pode-se citar, como exemplo, a identificação de deficiência de boro em videira, mamoeiro, algodoeiro; a toxidez de boro e manganês, em cafeeiro; e de ferro, em soja. Nesse caso, como em outros similares são analisadas folhas apresentando sintomas e folhas sem sintomas, comparando-se posteriormente os resultados de análise.

AMOSTRAGEM

A análise foliar auxilia no conhecimento do estado nutricional da cultura, na interpretação dos efeitos da adubação já efetuada e ainda ajuda a estimar indiretamente, o grau de fertilidade do solo. Permite ainda, distinguir sintomas provocados por agentes patogênicos, daqueles provocados por nutrição inadequada.

Algumas culturas ainda não estão devidamente estudadas com relação à calibração do resultado de análise foliar. Neste caso, é aconselhável amostrar, separadamente, plantas normais de plantas com sintomas de deficiência de plantas normais, sendo o diagnóstico feito através da comparação dos resultados.

Este trabalho, visa, sobretudo, dar informações de como proceder à coleta da amostra apropriada  para análise de 116 culturas.

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSE FOLIAR DE ALGUMAS CULTURAS
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
01. Abacate De fevereiro a março Folhas com idade entre 5 e 7 meses, recém-expandidas, da altura média da copa.

50 plantas

02. Abacaxi Pouco antes da indução floral. Folha recém-madura “D” (normalmente a 4ª folha a partir do ápice). Cortar as folhas em pedaços de 1 cm de largura, eliminando a porção basal sem clorofila.  Homogeneizar e separar cerca de 200 g para envio ao laboratório.

50 plantas

03. Abóbora Início da frutificação. 9ª folha a partir da ponta.

15 plantas

04. Acerola Folhas de ramos frutíferos, jovens e totalmente  expandidas. Amostrar os 4 lados da planta.

50 folhas
4 folhas/planta

05. Agrião Qualquer época do ano. Folhas compostas do topo da planta.

25 plantas

06. Aipo 70 dias após o transplantio. Pecíolo da folha mais nova completamente desenvolvida

20 plantas (parte aérea)

07. Alcachofra 180 dias após a brotação Folha desenvolvida.

15 plantas

08. Alface No aparecimento da cabeça Nervura mediana, folhas recém-maduras

50 folhas

09. Alfafa No florescimento Seção média da haste

50 folhas

10. Algodão No florescimento. Limbo da 5ª folha, a partir do ápice da haste principal.

30 folhas

11. Algodão Herbáceo Aos 80 ou 90 dias 5ª folha a partir do ápice da haste principal

30 folhas

12. Algodão Arbóreo No florescimento Folhas recém-maduras

30 folhas

13. Alho Antes da formação do bulbo Folha mais nova completamente desenvolvida

15 plantas

14. Ameixa No florescimento Parte média do ramo situado na altura média da planta

100 folhas

15. Amendoim Início do florescimento Tufo apical do ramo principal.

50 plantas

16. Amora Época da colheita 1ª folha adulta abaixo do ponto de crescimento

100 folhas

17. Araucária Primavera – verão 3º verticilo

50 folhas

19. Arroz 50% das plantas com flores visíveis. Folha bandeira.

mínimo de 50

19. Aspargo Qualquer época do ano. Folha superior, a mais recém-desenvolvida.

15 plantas

20. Aveia 50% das plantas com flores visíveis. Folha bandeira.

mínimo de 50

21. Banana Na emissão da inflorescência 5-10 cm centrais da 3ª folha, eliminando-se nervura central e metades periféricas.

30 plantas

22. Batata 30 dias após o plantio. 3ª folha a partir do tufo apical.

30 plantas

23. Batata-doce 60 dias após o plantio. Folha mais recente, totalmente expandida.

15 plantas

24. Berinjela Qualquer época do ano. Pecíolo da folha recém-desenvolvida.

15 plantas

25. Beterraba Na metade do ciclo Folha recém-desenvolvida.

20 plantas

26. Brócolis No início da formação da cabeça Folha recém-desenvolvida.

15 plantas

27. Cacau 8 semanas após o florescimento principal. 2ª e 3ª folhas verdes,  a partir do ápice do ramo, altura média da planta.

100 folhas 4 folhas/planta

28. Café Início do verão (dezembro/janeiro). 3º par de folhas a partir do ápice do ramo frutífero, na altura média da planta, retirando igual número de folhas de cada lado das linhas.

100 folhas 2 folhas/planta

29. Cana-de-Açúcar Fase de maior desenvolvimento vegetativo. 20 cm centrais da folha + 1 (folha mais alta com colarinho visível – TVD), excluindo a nervura central.

30 plantas

30. Cana do Ano 4 – 5 meses de idade 20 cm centrais da folha +3, excluída a nervura central

100 folhas

31. Cebola Meio do ciclo Folha mais jovem.

20 plantas

32. Cenoura Metade a 2/3 do desenvolvimento Folha recém-madura.

20 plantas

33. Centeio 50% das plantas com flores visíveis. Folha bandeira.

mínimo de 50

34. Cevada 50% das plantas com flores visíveis. Folha bandeira.

mínimo de 50

35. Chá Maio a Junho 2ª folhas dos ramos não lignificados.

25 plantas

36. Chicória Na formação da 8ª folha. Folha mais velha.

15 plantas

37. Citros Verão 3ª folha a partir do fruto, gerada na primavera, com 6 meses de idade, em ramos com frutos de 2 a 4 cm de diâmetro. Talhões homogêneos.

100 folhas 4 folhas/planta

38. Coqueiro Até 4 anos  : folha nº   4
5 a  7 anos  : folha nº   9
+ de 8 anos : folha nº 14
10 cm centrais de cada folíolo, eliminando-se a nervura central, 3 de cada lado parte central da planta

25 plantas

39. Couve Meio ciclo Folha recém-desenvolvida.

15 plantas

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSE FOLIAR DE ALGUMAS CULTURAS
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
40. Couve de Bruxelas No verão Folhas mais novas, plenamente desenvolvidas, sem pecíolos

50 folhas

41. Couve-flor No início da formação da cabeça. Folha recém-desenvolvida.

15 plantas

42. Dendê Até 2 anos  : folha nº 9
2 a 4  anos  : folhas nº 9 e nº 17
+ de 4 anos : folha nº 17
10 cm centrais folíolos, eliminando-se a nervura central, 2 de cada lado da parte central da folha.

25 plantas

43. Ervilha Pleno florescimento Folha inteira recém-madura

50 folíolos

44. Espinafre 30 a 50 dias. Folha inteira recém-desenvolvida.

20 plantas

45. Eucalipto Verão – outono Folhas recém-maduras, ramos primários

50 folhas

46. Feijão Início do florescimento. Todas as folhas.

10 plantas

47. Feijão-vagem Florescimento ao início da formação das vagens. 4ª folha a partir da ponta.

30 plantas

48. Figo 3 meses após brotação Folha recém-madura e totalmente expandida, da porção mediana do ramo.

100 folhas
(4 por árvore)

49. Fumo No florescimento. Folha superior totalmente desenvolvida.

30 plantas

50. Jiló No florescimento. Folha recém-desenvolvida.

15 plantas

51. Girassol Início do florescimento 5ª a 6ª folha abaixo do capítulo (cabeça).

30 plantas

52. Goiaba Folhas em pleno florescimento. 3° par de folhas recém-maduras (com pecíolo-4 folhas/planta).

25 folhas

53. Guaraná Primavera – verão Folhas recém-maduras de ramos a meia altura

30 folhas

54. Juta 3 meses após o plantio Folha da ponta, recém-madura

30 folhas

55. Macadâmia No meio do último fluxo de vegetação. Folha recém-madura e totalmente expandida, no talhão homogêneo, sendo 4 folhas por árvore.

100 folhas

56. Maçã Primavera – verão Folha recém-madura e totalmente expandida, sendo 4 a 8 folhas/planta para talhão homogêneo.

100 folhas

57. Mamão No florescimento Coletar 15 pecíolos de folhas jovens, totalmente expandidas e maduras (17ª a 20ª folhas a partir do ápice), com uma flor visível na axila.

15 folhas

58. Mamona Início do florescimento. Limbo da 4ª folha a partir da ponta.

30 folhas

59. Mandioca 3 a 4 meses após o plantio Limbo (folíolo) da folha mais jovem totalmente desenvolvido.

30 plantas

60. Maracujá No outono 3ª ou 4ª folha, a partir do ápice, de ramos não sombreados.

20 folhas

61. Maracujá no Botão No outono Coletar a folha com botão floral na axila, prestes a ser abrir.

20 folhas

62. Melancia Da metade até 2/3 do ciclo. 4ª folha, a partir da ponta, excluindo o tufo apical.

15 plantas

63. Melões Da metade até 2/3 do ciclo. 5ª folha, a partir da ponta, excluindo o tufo apical.

15 plantas

64. Milho No pendoamento (50% das plantas). Terço médio da folha da base da espiga.

30 folhas

65. Morango Início do florescimento. 3ª ou 4ª folha, recém-desenvolvida, sem o pecíolo.

30 plantas

66. Nabo Início do engrossamento das raízes Folha recém-desenvolvida.

20 plantas

67. Pastagem Primavera – verão Parte aérea

400 g

68. Peçã 6 a 8 semanas após o florescimento Folha com raquis, dos ramos terminais

100 folhas

69. Pepino No início do florescimento. 5ª folha, a partir da ponta, excluindo o tufo apical.

20 plantas

70. Pereira Verão Folhas com pecíolo, dos ramos do ano

100 folhas

71. Pêssego Verão Folha recém-madura e totalmente expandida (4 folhas/planta).

100 folhas

72. Pimenta Do florescimento a metade do final do ciclo. Folha recém-desenvolvida.

25 plantas

73. Pimentão Do florescimento a metade do final do ciclo. Folha recém-desenvolvida.

25 plantas

74. Pinus Fim do inverno Folha recém-madura, normalmente, o penúltimo ou o antepenúltimo lançamento de folhas dos últimos 12 meses. Para as variedades mais responsivas à adubação, retira-se uma folha de cada ponto cardeal do terço médio da copa, no antepenúltimo lançamento de folhas dos galhos.

20 plantas gleba homogênea < 50 há

75. Pupunha Fase de maior desenvolvimento (novembro a março), plantas com altura superior a 1,6 m (do solo até a inserção da folha mais nova). Folíolos da parte mediana da folha +2 (segunda folha mais nova com limbo totalmente expandido).

20 plantas

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSE FOLIAR DE ALGUMAS CULTURAS
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
76. Quiabo Início da frutificação (40-50 dias). Folha recém-madura.

25 plantas

77. Rabanete Qualquer época do ano. Folha recém-madura.

30 plantas

78. Repolho 2 a 3 meses. Folha envoltória.

15 plantas

79. Salsa Qualquer época do ano. Parte aérea.

30 plantas

80. Seringueira Verão Folhas em árvores de até 4 anos: retirar duas folhas mais desenvolvidas da base de um buquê terminal situado no exterior da copa e em plena luz.
Folhas em árvores de mais de 4 anos: retirar duas folhas mais desenvolvidas no último lançamento maduro, em ramos baixos na copa, em áreas sombreadas.

25 plantas

81. Soja No florescimento 3ªs folhas com pecíolo.

30 folhas

82. Sorgo No florescimento. Folha + 4 ou 4ª folhas com a bainha visível a partir do ápice.

30 folhas

83. Tomate Por ocasião do 1º fruto maduro. Folha com pecíolo.

25 plantas

84. Trevo No florescimento Folha do terço médio

50 plantas

85. Trigo 50% de plantas com flores visíveis. Folha bandeira.

mínimo de 50

86. Vagens Florescimento pleno Folha trifoliada mais velha

40 folhas

87. Videira No florescimento Folha recém-madura mais nova, contada a partir do ápice dos ramos.

100 folhas

 

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

Amostragem válida para as seguintes gramíneas: Colonião (88), Napier (89), Coast-cross (90), Tifton (91), Braquirão (92), Manduru (Brachiaria brizantha) (93), Andropogon (94), Braquiária (95), Ipean (96), Australiana (Brachiaria decumbens) (97), Batatais (98), Gordura (99).

 

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSE FOLIAR  DE ALGUMAS GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
88-99. Gramíneas Novembro a fevereiro. Brotação nova e folhas verdes.

várias plantas

LEGUMINOSAS FORRAGEIRAS

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSE FOLIAR DE ALGUMAS LEGUMINOSAS FORRAGEIRAS
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
100. Alfafa Início do florescimento Terço superior da planta.

várias plantas

101. Estilosante Novembro a fevereiro. O ponteio da planta (cerca de 15 cm)

várias plantas

102. Guandu Novembro a fevereiro. Terço superior da planta.

várias plantas

103. Leucena Novembro a fevereiro. Ramos novos com diâmetro de até 5 mm.

várias plantas

104. Soja perene Novembro a fevereiro. Ponta dos ramos desde o ápice até a 3ª ou 4ª folha, desenvolvidas.

várias plantas

ORNAMENTAIS e FLORES

Amostragem válida para as seguintes plantas ornamentais e flores: Antúrio (105), Azaléia (106), Begônia (107), Crisântemo (108), Gladíolo (109),  Gloxínia (110), Gipsófila (111), Hibisco (112), Palmeira (areca) (113),  Rosa (114), Schefflera (115) e Violeta (116).

AMOSTRAGEM PARA DIAGNOSES FOLIARES ORNAMENTAIS E FLORES
CULTURA ÉPOCA TIPO DE FOLHA QUANTIDADE
105-116. Ornamentais e Flores Qualquer época do ano. Folha madura, totalmente expandida.

Várias plantas

INTERPRETAÇÃO

Este trabalho, visa, sobretudo, dar informações quanto a interpretações dos resultados dos parâmetros adequados de análise foliar para 116 diferentes culturas amostradas.