solo11

AMOSTRAGEM DE SOLO

A amostragem do solo é a primeira e principal etapa de um programa de avaliação da fertilidade do solo, pois é com base na análise completa do solo (macro, micro e textura), que se realiza a interpretação e que são definidas práticas mais confiáveis de manejo de corretivos e de fertilizantes. Neste sentido, ressalta-se que, no laboratório, não se consegue minimizar ou corrigir os erros cometidos na amostragem do solo. Assim, uma amostragem inadequada do solo resulta em uma análise inexata e em uma interpretação e recomendação equivocada, podendo causar graves prejuízos econômicos ao produtor e danos ao meio ambiente.

solo11Os solos são corpos heterogêneos, com características diferentes em virtude dos fatores de formação e do manejo quando já trabalhados que devem ser considerados na amostragem.

A amostra representativa é aquela que melhor reflete as condições de fertilidade da área em que foi coletada. A amostragem de solo é uma prática simples, mas é baseada em conhecimentos científicos que determina o número de amostras necessárias para se ter uma boa representatividade da área amostrada.

O resultado de uma análise incorreta pode ser corrigido pela repetição, mas esse recurso não corrige erros de amostragem. “Se as técnicas de amostragem do solo não forem seguidas, o resultado da análise terá pouco valor, pois o objetivo dela é avaliar o estado atual da disponibilidade de nutrientes do solo e orientar a correta aplicação de corretivos e fertilizantes para as culturas”. (Sabbe & Marx, 1987).

COLETA DAS AMOSTRAS DE SOLO

Plano de amostragem

O primeiro passo para realizar a amostragem consiste em dividir a área em glebas homogêneas, levando-se em consideração os seguintes fatores:

  • Características físicas do solo: cor, textura e profundidade do perfil;
  • Tipo de cobertura: naturais e implantadas;
  • Relevo: delimitadas pelas mudanças de declividade;
  • Histórico de utilização da área, referente ao emprego de corretivos e fertilizantes.

Como regra geral, a homogeneidade é o principal fator que determina a área de abrangência da amostra. Uma amostragem bem sucedida significa cobrir a variabilidade local, com determinado grau de certeza, de modo que para se obter uma média verdadeira de determinada característica, pressupõe-se que cada amostra simples seja independente das demais.

Estudos estatísticos indicam que 20 amostras simples, para compor uma amostra composta, constituem um número adequado para representar a área a ser amostrada que pode ter poucos metros quadrados ou vários hectares.

Se for seguida a regra geral, acima desse número de subamostras, diminui-se muito pouco o erro de amostragem, independentemente do tamanho da área homogênea. Se uma amostra composta for capaz de cobrir bem a variabilidade local, o resultado da análise do solo poderá resultar numa recomendação adequada de corretivos e adubos, evitando-se aplicações excessivas ou insuficientes que poderão comprometer as expectativas de produção.

Diante do exposto, ressalta-se que os limites de uma gleba de terra para amostragem não devem ser definidos por hectares, mas, sim, pelas características já enumeradas, que determinam sua homogeneidade.

Freqüência, época e tipo de cultura a ser implantada

A freqüência da amostragem vai depender do tipo de exploração e da mobilidade dos nutrientes no solo. Solos arenosos (teor de argila menor ou igual a 15%) deverão ser amostrados com mais freqüência do que solos com textura média (teor de argila entre 16 e 35%) ou argilosa (teor de argila maior que 36%).

Quanto à época de coleta das amostras de solo, elas podem ser feitas em qualquer época do ano. No entanto, as amostras de solos devem ser enviadas ao laboratório com a máxima antecedência possível em relação à época do plantio.

Quanto ao tipo de cultura, sugere-se que:

  • Em glebas cultivadas anualmente com uma cultura de ciclo curto e, mantida em pousio no período seco, recomenda-se pelo menos a amostragem a cada três anos.
  • Em glebas manejadas com rotação de cultura, com maiores doses de adubação com ou sem irrigação, recomenda-se amostragem anual.
  • Para culturas perenes, a partir da fase produtiva, recomenda-se amostragem anual, principalmente quando são aplicadas doses mais elevadas de fertilizantes.

Local e profundidade da amostragem

Evitar a coleta de amostras próximas a casas, brejos, voçorocas, árvores, sulcos de erosão, na curva de nível onde os restos da destoca foram queimados, formigueiros, local de deposição de fezes e cochos ou saleiros, caminhos de pedestres ou em qualquer mancha que não seja a área delimitada para a amostragem.

Em áreas novas ou áreas sob suspeita de acidez na subsuperfície, é conveniente amostrar o perfil até 60 cm de profundidade (de 00 a 20 cm; de 20 a 40 cm e de 40 a 60 cm), seja para culturas anuais ou perenes.

O objetivo dessa amostragem permitirá avaliar a necessidade da correção de impedimentos químicos ao desenvolvimento radicular, tais como: elevada acidez, elevados teores de Al3+ e baixos teores de Ca2+ e Mg2+, para, se for o caso, corrigir qualquer impedimento químico para o crescimento de raízes e evitar que a lavoura corra o risco de maior perda de produtividade devido a veranicos.

Em áreas antigas e sob cultivos de culturas anuais, tais como: milho, soja, feijão, arroz, recomenda-se amostrar o solo na camada arável, ou seja, até 20 cm no sistema de plantio convencional (Miranda, 1982).

No sistema de plantio direto, amostrar de 00 a 10 cm e de 10 a 20 cm de profundidade. No entanto, deve-se levar em consideração a camada de solo onde se concentra o maior volume do sistema radicular.

No caso de adubação superficial em culturas perenes, coletar na área de projeção da copa, amostras até 10 cm de profundidade e periodicamente avaliar a disponibilidade de nutrientes no perfil. Havendo interesse em amostrar toda a área, devem-se amostrar separadamente a área adubada na projeção da copa e a área das entrelinhas.

Para tanto, coletam-se amostras simples em cada uma das áreas para obter duas amostras compostas distintas. Para pastagens a serem estabelecidas, recomenda-se amostragem a 20 cm de profundidade. Em pastagens estabelecidas e adubadas em cobertura, recomenda-se amostragem a 10 cm de profundidade, à semelhança das culturas perenes.

Equipamentos para amostragem

Para se obter uma amostra composta, independe do instrumento de coleta utilizado, se deve ter o cuidado para que uma das amostras simples seja coletada na mesma profundidade e com o mesmo volume de solo.

Para coleta das amostras simples de solo, os equipamentos mais comumente utilizados são representados na figura 1.

equipamentosA escolha do equipamento vai depender do tipo e da umidade do solo:

  1. O trato holandês, que é o mais usado, é apropriado para amostragem de solo em profundidade, apresentando bom desempenho em todos os tipos de solo; no entanto, exige grande esforço físico;
  2. O trado de caneco tem o mesmo desempenho do trato holandês;
  3. O trado de rosca e o calador são excelentes para solos úmidos e arenosos e têm a vantagem de coletar pequenas quantidades de solo, o que facilita a homogeneização das subamostras no “balde”;
  4. A pá de corte e o enxadão são instrumentos simples e disponíveis na maioria das fazendas, no entanto, requerem mais tempo para coletar adequadamente as amostras.

O uso do trado holandês e caneco utiliza-se uma faca para remover o solo excedente, facilitando sua retirada do centro do coletor para um recipiente. O uso do trado calador requer a retirada do cilindro do solo amostrado com uma espátula ou com outro tipo de ferramenta.

Antes do uso da pá de corte e o enxadão, retirar com a pá uma fatia de 2 a 3 cm de espessura num dos lados da cova e conservá-la sobre a pá e, com uma faca, separar os bordos, colocando somente o miolo no recipiente, conforme mostra a figura 2.

 

 

como-coletar-trado-holandes

Antes de introduzir o equipamento escolhido para amostras o solo, deve-se retirar plantas e restos vegetais da superfície.

O solo proveniente das subamostras deverá ser bem misturado num recipiente limpo, de modo que o conteúdo retido para a análise seja de aproximadamente 500 gramas. Colocar essas amostras num saco plástico limpo e identificar a amostra.

Amostragem em áreas adubadas em linhas

Áreas adubadas em linha tanto no plantio convencional (solo ainda não-revolvido) quanto no sistema de plantio direto requerem cuidados especiais na amostragem, especialmente, para culturas que apresentam maior espaçamento entre as fileiras de plantas, para compensar a diferença de fertilidade existente devido à aplicação localizada dos fertilizantes.

Para a coleta de amostras de solo nessas áreas, recomenda-se utilizar a pá-de-corte, observando-se os seguintes procedimentos:

  • Localizar, na lavoura, as linhas onde o adubo foi aplicado, geralmente, na mesma linha de semeadura;
  • Fazer uma cova em forma de V (figura 3), perpendicular à linha de plantio, com 20 cm de profundidade, sendo o comprimento correspondente ao espaçamento entre linhas, tendo-se o cuidado de que o sulco de aplicação de fertilizantes esteja localizado no centro dessa cova, em forma de cunha;
  • Retirar da parede cova, com a pá, uma fatia de espessura uniforme entre 2 e 3 cm até a profundidade de 20 cm;
  • Colocar a terra coletada em um recipiente;
  • Repetir o mesmo procedimento em mais de 20 pontos da lavoura, fazendo um zique-zaque;
  • Espalhar o solo coletado em uma superfície limpa e homogeneizá-lo muito bem, quebrando-se os torrões;
  • O solo proveniente das subamostras deverá ser bem misturado de modo que o conteúdo retido para a análise seja de aproximadamente 500 gramas. Colocar essas amostras num saco plástico limpo e identificar a amostra.

como-coletar-amostragem-linha

Amostragem no sistema de plantio direto

No sistema de plantio direto, os resíduos vegetais ficam na superfície, e as aplicações periódicas de corretivos e a de adubos determinam a formação de gradientes no sentido vertical (maior acumulação de nutrientes na superfície) e maior variabilidade no sentido horizontal, já que as linhas de adubação permanecem intactas, ao contrário do sistema convencional em que o solo é revolvido depois de cada cultura.

A ciclagem dos nutrientes por meio da decomposição da matéria orgânica e a adição superficial de corretivos e adubos tendem a acumular nutrientes na superfície do solo.

O fósforo, por ser um elemento não-móvel no perfil, forma um gradiente mais acentuado a partir da superfície do solo. Além do acúmulo de P na superfície, pode ocorrer também à acidificação na camada superficial (0 a 5 cm), principalmente, em sistemas em que predominam gramíneas na rotação e que recebem doses elevadas de fertilizante nitrogenado.

O objetivo dessa amostragem é verificar se existe uma camada superficial com pH baixo, o que uma amostragem de 0 a 20 cm, preconizada para o sistema convencional, muito provavelmente, não irá detectar.

Para avaliar as condições químicas do solo sob plantio direto, sugere-se que as amostragens sejam feitas nas profundidades de 0 a 10 e 10 a 20 cm nos primeiros anos (dois a três). Nos anos seguintes, e para maior informação, amostrar as camadas de 0 a 5, de 5 a 10 e de 10 a 20 cm, caso contrário, de 0 a 5 e de 5 a 20 cm.

O número de trincheiras amostras para formar as amostras compostas (das diferentes profundidades) pode variar de 10 a 15 na gleba.

REFERÊNCIAS

  • Cerrado: Correção do solo e adubação, Djalma M. G. de Sousa, Edson Lobato.
  • Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, 5ª Aproximação/ Antonio Carlos Ribeiro, Paulo Tácito Gontijo Guimarães, Victor Hugo Alvarez V., editores. – Viçosa, 1999.
  • Amostragem e análise de solo: calagem, adubação, sementes. – Brasília: MAPA/SARC, 2002.
  • Embrapa, Emater DF e Emater GO – 4ª Aproximação, 1998.